Biossegurança


O que é biossegurança? É um conjunto de ações voltadas para prevenir, minimizar e eliminar riscos de uma atividade que pode comprometer a saúde. Onde há riscos maiores de contaminação, num hospital, por exemplo, a rigorosidade da biossegurança é maior do que em locais de menos riscos. A massoterapia é considerada de risco baixo, principalmente porque não envolve perfurações da pele. Mesmo assim, é fundamental manter a biossegurança em dia.


Diferentes tipos de riscos

  • Acidentes: envolve os fatores que coloquem a pessoa em situação de perigo. Por exemplo: aparelhos, macas ou pisos escorregadios.
  • Risco ergométrico: envolve tudo que pode afetar a pessoa negativamente de forma psicofisiológica. Por exemplo: levantamento de pesos, excesso de trabalho, repetitividade e posturas inadequadas.
  • Riscos físicos: envolvem exposições de energia que podem ser prejudiciais. Por exemplo: ruídos, temperaturas, materiais cortantes e radioatividade.
  • Risco químico: envolve produtos e composições prejudiciais que possam penetrar no organismo. Por exemplo: poeira, gases, cremes e óleos.
  • Risco biológico: envolve patógenos prejudiciais. Por exemplo: infecções, alergias, viroses, fungos e bactérias.


É de suma importância que o consultório de massagem esteja perfeitamente adequado e permita a minimização desses riscos. Sendo que as maiores causas de acidentes são:

  • Instrução inadequada
  • Supervisão ineficiente
  • Mau uso de equipamento
  • Negligência de normas existentes
  • Práticas inadequadas
  • Planejamento falho
  • Jornada excessiva de trabalho

Risco biológico - Barreira de proteção primária

Tem como objetivo prevenir a disseminação de doenças entre as pessoas do consultório da massagem. As medidas têm que ser aplicadas entre todos os atendimentos e toda vez que se manipula clientes. A barreira de proteção primária envolve a higienização das mãos, limpeza da maca, equipamento de proteção e o uso das toalhas.


Limpeza das mãos. Tem como principal motivo prevenir a transmissão de microrganismos e sujeiras que ficam nas mãos. A limpeza das mãos tem que ser feita entre e/ou durante cada atendimento e toda vez que se manipule algo que possa conter microrganismos ou sujeiras. A assepsia com álcool não substitui a lavagem das mãos com sabonete e água corrente, um completa o outro. O consultório deve ter torneiras que dispensem o contato das mãos do registro, pote de sabão líquido e papel toalha. Para uma boa lavagem das mãos, é importante ensaboar e esfregar as palmas, o dorso das mãos, os espaços entre os dedos, os polegares, as unhas e os punhos. O produto antisséptico mais comum em consultórios é o álcool de 70o.


Limpeza da maca (cadeira de massagem). Tem como principal motivo prevenir a transmissão de microrganismos e sujeiras que ficam na maca. A limpeza da maca tem que ser feita entre e/ou durante cada atendimento. Também envolve acobertar a maca com papel toalha ou lenço descartável. A limpeza da maca é feita com álcool de 70o ou outro antisséptico.


Equipamento de proteção. Tem como principal motivo minimizar riscos de contaminação e higiene pessoal. Equipamento de proteção envolve roupas adequadas como jaleco e roupas brancas, luvas, máscaras e toucas cirúrgicas.


Toalhas. A troca periódica das toalhas tem como principal motivo prevenir a transmissão de microrganismos e sujeiras que ficam na toalha. A troca de toalha tem que ser feita entre cada atendimento. Toalhas usadas devem ser lavadas com sabão antisséptico e de preferência em água quente a 60 graus.


Risco biológico - Barreira de proteção secundária

Tem como objetivo manter o consultório amplo, limpo e arejado. Um consultório tem que ter, no mínimo 7,5 m2, os pisos e paredes têm que ser fáceis de lavar e, preferencialmente, com cores claras. O consultório tem que dispor de banheiros e pias. A maca tem que ser capaz de aguentar os pesos submetidos, no mínimo 200 kg. O ambiente deverá ser mantido livre de sujeira e a limpeza deve ser feita com água e sabão e hipoclorito de sódio a 1%.


Artigos